sexta-feira, 27 de julho de 2018

Lady Alexia Theusa – Cortesã da morte



Antecedentes: a história de Lady Alexia combina em igual proporção um amor trágico e a esperança eterna. Nascida no final do quarto século antes de cristo em Atenas, ela viveu uma vida cheia de mimos. Educada como uma princesa, veio a se apaixonar por um dos escravos de seu pai, Andreas, e por anos mantiveram esta paixão em segredo. Ambos sabiam que seu amor, não importa o quão forte e perfeito fosse, nunca poderia se concretizar. Sabendo que viver separados era algo insuportável, ambos concordaram em cometer suicídio na esperança de se reunirem no pós vida.
     Na noite de seu suicídio, eles se encontraram num jardim isolado e desfrutaram da quente noite de verão, a última de suas vidas. Com a chegada da manhã, Andreas abriu um pequeno frasco de veneno e tomou um gole. Com o veneno ainda em seus lábios, tentou beijar sua amada, porém neste momento o pai de Alexia, alertado por outro servo, adentrou o jardim em disparada e levou Alexia. Dentro dos braços de seu pai, ela assistiu impotente, a morte de Andreas. Alexia foi severamente punida: sua cabeça foi rapada, uns poucos item preciosos foram empacotados e ela foi exilada.
     Devastada, tentou cometer suicídio novamente mas se deteve quando teve uma visão onde seu amado a implorava para não fazê-lo. Na visão, Andreas alegou que retornaria não como um escravo ou servo, mas como imperador da cidade do ouro ofuscante. Com uma nova esperança, Alexia começou a viajar o mundo conhecido em busca desta cidade de fábula e no processo aprendeu o máximo possível sobre a morte.
     Suas viagens a levaram ao Egito e ao Leste distante, onde estudou as artes sombrias com qualquer um disposto a ensiná-la. Entretanto, todo seu conhecimento se mostrou inútil; ela gradualmente passou a acreditar que nunca encontraria Andreas. Ela então decide retornar para Atenas e passar seus últimos dias no jardim onde Andreas morreu.
     Em sua jornada de retorno, ela passou por Bizâncio. Byzar, o capadócio fundador da colônia encontrou Alexia. Disfarçado como um oráculo, ouviu a história de Alexia e ficou impressionado com seu conhecimento sobre a morte. Em sua última noite em Bizâncio, quando ela e Byzar conversavam sobre a morte, de pé na praia de Bósforo, ele propôs abraçá-la, dizendo que ao aceitar a imortalidade ela poderia aguardar seu amado até o fim dos tempos. O que ele não revelou foi que durante o curto tempo em que estiveram juntos, ele se apaixonou e tinha esperanças de que o abraço a faria juntar-se a ele e esquecer sobre seu amante falecido.
     Infelizmente para Byzar, o abraço apenas fortaleceu o amor de Alexias por Andreas. Ela teve outra visão: uma cruz erguendo-se das cinzas de Bizâncio; uma cidade de ouro seria construída sobre as praias de Bósforo. Conforme o tempo passava, ela veio a compreender que Byzar e sua cidade precisavam ruir ou seu amado jamais retornaria. Portanto, numa noite ela incapacitou Byzar e seus seguidores e, usando seus poderes, os colocou em torpor. Ela então começou a planejar a destruição de Bizâncio, que finalmente ocorreu em 196 depois de cristo.
     Lady Alexia nunca se distanciou dos imperadores de Constantinopla, agindo como – ou tendo influência sobre – seus médicos pessoais. Ela aguarda o retorno de seu amado, e quando cada imperador se aproxima da morte, usa sua influência para que sejam abraçados em segredo. Ela tem esperanças de que, ao ligar almas imperiais a corpos vampíricos, aumentará a chance da reencarnação do espírito de Andreas.
     No curso das eras, alguns escaparam de seus cuidados e desapareceram no pós vida, mas Alexia tem sido incrivelmente bem sucedida. E assim, nos mais profundos declives de contantinopla localiza-se o refúgio de Alexia, uma cripta onde os corpos do imperador e do próprio Byzar jazem em torpor. Ali eles suportam o maior temor de um Capadócio: nunca conhecer o conforto da morte verdadeira.
Imagem: embora abraçada em seus últimos dias, a antiga beleza de Alexia ainda está presente. Compensando sua pele pálida como a de um cadáver, sua forma acentuada e características clássicas a dão uma aparência conservadora e dignificante, emprestando-a um certo charme.
Dicas de interpretação: por fora você é a epítome do conselheiro calmo e pragmático. Você irradia uma serenidade que quase chega a ser irreal.
Todas as outras preocupações, entretanto, são secundárias ao retorno de Andreas. Até os poucos amantes que você teve durante as eras foram meros substitutos, e quando você se cansa de um companheiro, o coloca em sua cripta onde permanecerá seu amante por toda a eternidade.
Refúgio: uma cripta construída por Byzar para servir-lhe como refúgio, localizada nas profundezas da Acrópolis
Segredos: Alexia é o único cainita que está ciente do destino verdadeiro dos imperadores de Bizâncio. Ela os abraça em seus leitos de morte e usa vicissitude para substituir seus cadáveres com os de outras pessoas.
Influência: Pequena. Porém com seus contatos e aliados no palácio imperial, ela poderia exercer um poder considerável se assim decidisse. Caius veio a contar com os conselhos de Alexia.
Destino: Alexia encontra seu destino com o restante de seu clã quando os Giovanni fazem sua jogada. Byzar e os imperadores em torpor podem ser os últimos capadócios a terem sobrevivido, assumindo que Markus não descubra a localização da cripta.

Clã: Capadócio
Senhor: Byzar
Natureza: Zelador
Comportamento: Solitário
Geração:
Abraço: 308 antes de cristo
Idade Aparente: 50 e muitos anos
Físicos: Força 3, Destreza 3, Vigor 5
Sociais: Carisma 3, Manipulação 5, Aparência 2
Mental: Percepção 6, Inteligência 6, Raciocínio 4
Talentos: Atuar 2, Prontidão 3, Empatia 6, Intimidação 4, roubo 2, Subterfúgio 6
Habilidades: Empatia com animais 3, Artesanato 3, Etiqueta 3, Herbalismo 7, Música 2, Furtividade 5, Sobrevivência 5
Conhecimentos: Acadêmicos 6, Sabedoria popular 4, Investigação 3, Medicina 4, Ocultismo 6, Política 3.
Disciplinas: Auspícios 6, Dominação 3, fortitude 4, Mortis 7, Ofuscação 3, Presença 4, Vicissitude 2.
Antecedentes: aliados (médicos mortais) 3, Influência (médica imperial) 5, Status 2
Virtudes: Consciência 2, autocontrole 3, coragem 3
Caminho da humanidade: 5
Força de Vontade: 8

Nota: Para mais informações sobre Alexia. leia os novels de Dark Ages de números 1 e 3.

3 comentários:

Caio Henrique disse...

Me surpreende que esse blog ainda esteja ativo. Via os links nos PDFs, mas sempre julguei antecipadamente pelo visto. Leio os trabalhos traduzidos que fizeram, e me contento sempre acho algo inédito em inglês.Deve ser a nostalgia, mas fico contente por saber que aqueles apaixonados por esta obra maravilhosa ainda dedicam-se a ela.

Unknown disse...

Mano está é uma boa ideia pra uma campanha

Unknown disse...

Caramba parabéns pela devoção ao Rpg.
Gostaria de saber se ainda existe uma esperança para o lançamento do Vampiro dark ages 3 edição que anos atras foi falada aqui no blog?

Postar um comentário