sábado, 9 de fevereiro de 2013

Lucita - Lasombra



                                          Faltava ela no blog, não?

By Acodesh

Iberia By Night pág 117

Lucita de Aragão – Filha pródiga
7ª geração, cria de Ambrósio Luis Monçada (veja o post dele aqui)
Natureza: Rebelde
Comportamento: Defensor
Abraço: 1190
Idade aparente: Fim da adolescência

A filha de Alfonso 2º de Aragão e a filha das trevas do Arcebispo Monçada, Lucita nasceu – e foi abraçada – para o poder. Ela é voluntariosa, orgulhosa e perigosa, e ainda está se dando conta da extensão de sua verdadeira força.
A existência mortal de Lucita fora regrada pelo dever para com seu pai e com sua posição, restrições que a irritavam. Entretanto sua inteligência e vontade ficavam evidentes em seus atos de rebelião contra seu pai, e relatos destes atos chegaram aos ouvidos de monçada através de seu confessor. Procurando por um peão receptivo na corte de Alfonso, o arcebispo decidiu visitá-la – e ficou fascinado. Antes de voltar a seu lar, abraçou Lucita, prometendo-a liberdade das leis de seu pai e poder além de sua compreensão. O restante a respeito de sua nova condição ela deixou para que ela descobrisse por si mesma.
O vampirismo agradou Lucita, e assim ela foi galgando posições na hierarquia Lasombra. O fato de Monçada ser um patrono e padrasto coruja certamente a ajudou, embora ela tenha começado a suspeitar  não fossem nem um pouco altruístas. Assim sendo, quando na época de seu retorno para Veneza, Lucita decidiu se distanciar um pouco de seu senhor. Ela tomou residência em Aragão, mudando de cidade para cidade na tentativa de ficar sempre um passo a frente dos mensageiros de Monçada. Ela também começou a procurar em seus pensamentos por outros aliados no clã Lasombra, e fez algumas tentativas de diálogo com Marcellus. A boa vontade de Monçada não é algo que se ponha de lado sem um preço, mas Lucita não consegue evitar de pensar qual preço extremo seria esse.

*********************
Transylvania Chronicles I pág 80

Antecedentes: A filha de Alfonso I de Aragão cresceu no privilégio e aborrecimento referentes a sua responsabilidade para com seu pai e sua família. Ela pensou em matar o próprio pai  muitas vezes, e frequentemente fugia, apenas para ser pega pelos guardas aragoneses e trazida de volta para custódia de seu pai. Ao invés de se preocupar em disciplinar a garota ele próprio (como rei tinha coisas melhores a fazer), Alfonso a enviava para um confessor em todas as ocasiões, confiando que deus e a Igreja elaborariam uma punição para sua filha. O fato do confessor ser Ambrosio Luis Monçada fez desta uma esperança vã.
                Monçada reconheceu o espírito indomável e ardente independência da jovem Lucita. Estas características, combinadas com sua luxúria pecaminosa por ela, convenceram o bispo que seu abraço era justificado. Depois de falar com outros de seu clã, Monçada decidiu que os Lasombra se beneficiariam enormemente com este indivíduo de nascimento nobre.
Entretanto, depois de seu abraço, a relação de Lucita com seu clã raramente era tranqüila. Ela combateu Monçada como combatera seu pai mortal, querendo autonomia e liberdade. Embora servisse a Monçada cumprindo seu dever como diplomata e nobre (há rumores de que ela seja o poder por trás do trono do atual rei de Aragão, Peter III), ela se sente mais a vontade na estrada com seu companheiro de viagem Anatole, alguém que inspira em Lucita mais fé em deus do que o degenerado Monçada jamais conseguiu.
                Lucita recentemente tomou para si um novo regime de treinamento através do qual deseja ganhar habilidade na nobre arte da guerra. Sua velocidade e graça natural a auxiliam nesta empreitada – ela consegue habilmente derrotar inimigos mais fortes antes que consigam dar um único golpe nela. Quando Lucita combina suas proezas marciais com a controle sobre as sombras, marca registrada dos Lasombra, se torna de fato num inimigo terrível.
Imagem: Lucita é alta, magral e tem um tom de pele escuro clássico. Ela tem cabelos negros como a maioria das pessoas de origem espanhola, mas não há influência moura em sua aparência. Ela costuma usar roupas de nobre ao invés das de guerreira, mas estas roupas frequentemente são escuras e sombrias, e do tipo que permitam o movimento em detrimento das de limitada exibição.
Dicas de interpretação: Seu nascimento patrício e sua educação lhe deram apresentação e nobreza natural. Como diplomata você serve a Monçada, mas também serve a si mesma. Embora esteja aprendendo a guerrear, você frequentemente obtem sucesso através de táticas e negociações. Você tem sede de liberdade e fica satisfeita ao viajar para terras distantes. Não deixe que ninguém te amarre ou te force a fazer o que você não queira.
Refúgio: qualquer lugar conveniente na estrada.
Segredos: Lucita conhece muitos segredos relativos a corte de Aragão, e também ouve rumores de outros de seu clã. Ela permanece ostensivamente na Europa Oriental para supostamente cumprir a vontade de Monçada, mas na verdade está ajudando Anatole em suas metas.
Influência: a influência de Lucita engloba a corte de Aragão e por extensão, também engloba as outras cortes cristãs na Ibéria.
Destino: Lucita se torna uma guerreira perfeita, rivalizando com os Assamitas orientais em ferocidade e reputação. Na medida que a revolta anarquista termina e o sabá surge de suas cinzas, Lucita decide se abster de ambas as seitas, se tornando uma das mais temidas Lasombra antitribu ativa no moderno mundo das trevas.

Clan: Lasombra
Senhor: Ambrosio Luis Monçada
Natureza: Rebelde
Comportamento: Defensor
Geração:7ª
Abraço 1190
Idade aparente: 17
Físicos: Força 2, Destreza 4, Vigor 3
Social: Carisma 4, Manipulação 2, Aparência 4
Mental: Percepção 3, Inteligência 2, Raciocínio 3
Talentos: Atuar 2, Prontidão 2, Briga 2, Esquiva 2, liderança 1, Subterfúgio 2
Habilidades: Arqueirismo 2, Etiqueta 3, Armas brancas 3, cavalgar 2, Furtividade 3
Conhecimentos: Sabedoria popular 1,  investigação 1, Linguística 1 (francês), ocultismo 2, política 3, senescalismo 1
Disciplinas: rapidez 1, dominação 2, tenebrosidade 2, potência 3
Antecedentes: aliados 1, contatos 3, influência 3, recursos 2
Virtudes: consciência 3, autocontrole 2, coragem 4
Caminho da Humanidade 6

****************
Bitter Crusade pág 84

Nota: o texto é praticamente idêntico ao do Transilvânia Chronicles I, coloquei apenas o trecho que é diferente

Embore continue aborrecida sob a liderança sufocante de monçada, Lucita se provou suficientemente capaz para que lhe sejam confiadas grandes responsabilidades. A neófita serve bem seu clã como diplomata. Em Noites Venezianas, ela vai ao La Serenissima sob ordens de Monçada que teme – e com razão – que Narses possa usar a 4ª crusada para seus próprios fins. Ela está vigilante para qualquer sinal de que o príncipe de Veneza ou sua Heresia Cainita estejam impugnando sua missão sagrada. Portanto, Lucita é um aliado em potencial para cainitas com preocupações semelhantes.



**********************
Noites de Profecia pág 105

LUcita, Observadora das noites finais

7ª Geração, cria de Ambrosio Luis Monçada
Clã: Lasombra antitribu
Natureza: rebelde
Comportamento: defensora
Abraço: 1190
Idade Aparente: Fim da Adolescência

A filha de Alfonso I de Aragão, Lucita foi uma rebelde desde o início. Ao resistir as normas restritas da vida de um nobre, acabou sendo enviada para que se confessasse  sob os atenciosos auspícios de Ambrosio Luis Monçada.
Ele convenceu os Lasombra de que Lucita seria uma adição valorosa ao clã, mas sua tendência a rebeldia não morreu com o abraço. Ela serviu a seu senhor por alguns anos como diplomata e nobre, mas se sentia mais a vontade viajando com seu companheiro Anatole, o profeta louco.
Repugnada pela destruição de seu clã a seu fundador, Lucita acabou trabalhando como arconte para a Camarila depois da revolta anarquista. Ela se tornou proeminente como estudiosa nodista e como guerreira, e está trabalhando com o grangrel Becket seguindo pistas para fragmentos perdidos do livro de nod.
Com o passar dos anos Lucita ganhou reputação de uma das mais temíveis guerreiras do mundo das trevas. Ela tem sido descrita como “esquadrão de morte na forma de uma única mulher”, e seu domínio sobre as disciplinas de clã, e de outros clãs, não é nada menos do que aterrorizante. As características de Lucita estão disponíveis no decorrer das crônicas da Transilvânia, mas não são necessárias para os propósitos desta história. Com sorte, os personagens não haverão de ser suicidas o bastante para iniciar algum conflito com ela.
Lucita é alta e magra. Sua pele é um pouco mais escura do que a da maioria dos anciões. Embora suas características revelem sua herança espanhola, não há traço de sangue mouro. Ela sempre se veste em estilos que a permitam se mover rapidamente caso surja a necessidade.



*************************
Road of Kings págs 94 e 95

Informações idênticas as já mencionadas, contudo o livro mostra uma ficha de Lucita com pontuação completamente diferente.
*********************
Transilvânia Chronicles II pág 94

Nenhuma informação nova, só há uma ficha de Lucita também diferente (e diferente da mostrada no Transilvânia chronicles I)

**************************
 Transylvania Chronicles 3 pág 87

Também nenhuma informação nova.

***************************
Transilvania by night pág 78

Texto idêntico ao do Transilvânia chronicles I – com o único adendo a respeito da força de vontade de Lucita, que é mostrado tendo valor 9.

*********************
Livro do clã Lasombra 3ª Ed pág 97

O membro independente mais famoso do clã enfrenta suas próprias dificuldades. La fez parte do ataque Assamita a seu senhor, o cardeal, e acreditava que a destruição dele finalmente lhe traria paz. Isto não aconteceu. A presença dele em sua mente não existe mais, mas seu legado de idéias e desafios permanece.
Lucita não compreendeu muito bem quanto sua existência era uma série de negações. Ela agiu, com mais freqüência do que imaginava, da maneira que fosse desagradar mais seu senhor e interferir em seus planos. Agora isso não importa mais. Ele não vê nem se importa ( ao menos nenhum dos médius e necromantes com quem ela falou achou qualquer traço reminescente de sua alma). Ofender e sabotar as metas de seu senhor nunca foi seu único objetivo, mas, com o fim do cardeal, os outros se misturaram formando planos estranhos.
Atualmente Lucita se vê buscando a companhia de outros vampiros em ocasiões que não são o início ou o fim de um contrato. Com uma variedade de disfarces, ela ouve quão fervorosamente , os neófitos, tanto na camarilla como no sabá, definem sua noção de determinação, e como os anciões, desgastados com os conflitos recentes, discutem o que fazer e seguida. Por enquanto ela está afastada de Fátima, cuja aplicação aos assuntos do clã Assamita não oferece nenhuma solução para os problemas que Lucita enfrenta.
Tentar encontrar Lucita é um hobby há séculos entre os Lasombra. Nas noites de hoje, os rumores puseram-na em muitos lugares interessantes. Para que metade deles seja verdade ela teria que passar o tempo todo viajando e, depois, cometer deslizes que a tornassem visível. O fato é que a grande maioria de suas verdadeiras aparições entre outros vampiros não foi detectada. Pelo menos alguns neófitos e ancillae ambiciosos a imitam algumas vezes. Ela acha isso divertido e deixa que eles o façam, sabendo que as punições por serem pegos irão eliminá-los com o tempo.

**********************

Transylvania Chronicles 4 pág 87

Nascida na nobreza aragonesa, o espírito voluntarioso de Lucita e sua natureza independente a colocaram em atritos com sua família e levaram indiretamente a seu abraço forçado por seu “confessor”  Monçada. Entretanto sua transformação não contribuiu em nada para domar sua ousadia, e eventualmente Lucita deixou a companhia de seu senhor – e depois da deserção dos Lasombra para o sabá, Lucita deixou o clã. Embora tenha servido a Camarilla como arconte no passado e ainda prefira esta seita do que a sua rival, Lucita opera como um agente independente. Como um Lasombra antitribu, ela guarda em seu coração uma hostilidade ardente por seu antigo clã, enxergando neles a arrogância insuportável sem uma nobreza real que a sustente.
Com os anos, a associação de Lucita com Anatole, o profeta malkaviano , a levou a viajar por quase todo o mundo. Suas habilidades marciais, aperfeiçoadas durante os séculos, a transformaram na guerreira perfeita, ao passo que seu treinamento diplomático a permite atuar como espiã ideal e agente. Embora considere a si mesma como guardiã de Anatole, Lucita desenvolveu interesse própria em história cainita, fazendo de si uma estudiosa com seus próprios méritos.  Juntamente com Anatole e Beckett, Lucita é uma das maiores autoridades das noites finais e dos sinais do despertar dos Antigos.
Lucita viaja com Anatole e Beckett para a América, onde continua a agir como arconte para seus dois companheiros. Sua reputação como guerreira (embora uma que é independente) a serviço da Camarla cresce a cada noite. Sua habilidade de se adaptar a mudança dos tempos lhe dá uma vantagem sobre outros de sua idade e geração, permitindo que lide melhor com o mundo moderno e aumentando sua habilidade em cumprir seus deveres autoimpostos.
Imagem: Sendo alta e esguia, com pele tom de oliva e cabelos negros, Lucita é o exemplo da clássica aparência da antiga nobreza espanhola. Ela renovou seu guarda roupas para se adequar aos novos tempos, embora ainda prefira roupas estilosas com cores escuras e frequentemente veste saias em detrimento de trajes mais casuais.
Dicas de interpretação: você mudou sua aparência para se mesclar com o mundo moderno, mas secretamente lamenta a passagem da verdadeira nobreza entre a sociedade mortal. O que se passa por aristocracia – a chamada “elite” de celebridades, estrelas da mídia e ricaços, jovens empresários – são pálidos diante da verdadeira elegância daqueles nascidos no Sangue. Ainda assim, a excitação e vigor do mundo moderno a impressiona e você não agüenta a idéia de vê-lo destruído na Gehenna. Seu comprometimento com Anatole e Becket permanece forte porque é voluntário, embora você esteja ainda mais preocupada com Anatole desde a diablerie de Octavio. Você tenta afastá-lo de outras tentações semelhantes. Contudo você acredita firmemente que Anatole, e Beckett em menor grau, guardam a chave para a sobrevivência cainita nas noites vindouras.
Refúgio: qualquer lugar seguro para si e para seus companheiros de viagem.
Segredos: O conhecimento de Lucita sobre a gehenna cresceu durante os séculos. Ela também sabe sobre as diversas diableries de Anatole e de sua convicção de que o demônio Kupala agora fala através dele. Isto a perturba imensamente.
Influência: Lucita exerce grande influência entre membros que a conheceram e que se beneficiaram de suas habilidades e conhecimento. Sua reputação de guerreira e sua disposição em defender a Camarilla contra o sabá lhe garantiu diversos aliados – assim como inimigos. Estudiosos da história vampírica a procuram em busca de conselhos e interpretações dos discursos incompreensíveis de Anatole.
Destino: Lucita continua a viajar, tomando vantagem das facilidades de deslocamento para passar tempo tanto na América como na Europa.

Em seguida o livro mostra outra ficha de Lucita, também diferente das demais



***********************************




Não deixe de conferir as diferentes fichas de Lucita nos livros citados (é um dos poucos personagens que pode ter sua história acompanhada também através das mudanças de suas diferentes fichas) e a belíssima carta que a Lasombra escreve para Vykos aqui

2 comentários:

†Alesson Ľäsðmбяå† disse...

Acho que é a antitribu mais caçada do mundo das trevas rsr.

Lucas Filho disse...

Mano, parabéns pelo blog. Acompanho o site já a algum tempo e é um dos mais completos em termos de traduções de livros gringos e conteúdo sobre Vampiro. Lucita é um personagem magnifico do cenário e você nos contou bastante da historia dela.

Se não me engano, li uns trechos do livro Gehena: Noites Finais onde descrevia Lucita como Cardeal do Sabá tentando entrar em contato com o Serafim da Black Hand, Aajav-Khan. Se ainda não leu, vale a pena dar uma conferida depois!

Postar um comentário