domingo, 6 de abril de 2014

Xaviar - Justicar Gangrel



XAVIAR , PATRIARCA  E  ANTIGO   JUSTICAR  DO  CLà GANGREL


  Histórico: O lendário “filho da noite” iniciou seu longo e sinuoso caminho pela vida, morte, e o que existe além dela como um sargento no exército de Eduardo, o Príncipe Negro. Como plebeu e soldado recruta da cavalaria nas disputadas terras ao norte de Loire, Xavier de Calais já estava bem habituado ao modo como um conflito poderia ser manipulado em proveito próprio. Seu instinto e perspicácia lhe serviram bem nesses tempos primórdios. Ele sobreviveu a várias batalhas e se posicionou estrategicamente como um aparente adjunto subordinado a vários competidores menores, mesmo assim crescendo lentamente em posição e reputação. Em Maupertuis, próximo a Poitiers, o ponto de virada do que os historiadores viriam a denominar a Guerra dos Cem Anos, Xavier cavalgou ao lado de James de Morbeke e de uma infantaria composta por mais de quinhentos franceses desertores. Os dois vassalos conduziram o ataque e o sítio aos portões franceses para garantir as pretensões inglesas e tomar como prisioneiro o rei João II, o Bom. O valor de Xavier foi recompensado naquela mesma noite por dois importantes benfeitores: Lorde James Audley, que lhe concedeu o título de cavaleiro e algumas pequenas propriedades litorâneas; e um desconhecido viajante que passava-se por um menestrel vindo de terras distantes, que introduziu o plebeu à uma classe dominante de natureza bem diferente ...
             É uma tradição do clã Gangrel deixar seus novatos vagando pelo mundo durante algum tempo, impulsionados por seu auto-desprezo, uma insaciável compulsão por viajar originado do Sangue, e talvez por outros motivos. Xaviar nascido Xavier recebeu apenas o Abraço. Após várias noites infernais durante nas quais o recém declarado nobre aprendeu sobre a Fome e a insensatez de monstros simulando vidas mortais, ele partiu para o norte, em direção das terras desertas congeladas. Lá ele aprendeu a emoção da caçada, o inexplicável desejo do desafio corpo a corpo até que só um saia como o mais forte, a incerteza que precede a cada nova batalha e a antecipação da noite seguinte na qual este ciclo irá recomeçar. Feras, homens, lendários homens-monstros que dizem caminhar pelos icebergs e cumes mais setentrionais – todos eles e outros mais caíram diante de suas presas.
            Xaviar talvez passasse uma eternidade de noites nesta existência meio-humana, mas algo despertou dentro dele. Um atavismo em seu coração morto o remetia a épocas passadas – até um jogo mais desafiador do que o da carne e sangue. Este negro e faminto desejo o levou a retornar para o mundo dos homens ao final do séc. XV.
             O agora experiente vampiro viajou para o sul e colecionou a pele de vários homens-lobo que habitavam as profundezas da Floresta Negra. Nessas noites Xaviar era um insaciável caçador de Lupinos – apenas a sua presença já era suficiente para perturbar qualquer espécie de relação mais tênue que existisse entre lobisomens e vampiros em determinada província, e é dito que os Lupinos relembram dele em suas canções e histórias como “Assassina-Nossos-Irmãos”. Pela primeira vez em décadas, ele encontrou outros de sua espécie em Renânia, onde aprendeu a importância de identificar-se, do território e do subterfúgio centenário que a Camarilla denomina como a sua Máscara. Ele permaneceu ali durante alguns anos e ouviu sobre as suas Tradições e seus contos sobre o Novo Mundo – até que a Besta despertou novamente para agitar sua alma.
            Desta vez, as andanças de Xaviar o levaram até as terras amaldiçoadas ao leste da Europa e além, através das florestas dos Bálcãs e dos afluentes da Turquia, até o Sudão e as terras ao sul. Alguns acreditam que, enquanto os impérios de Kanem Bornu e Songhai lutavam pelo controle da região, Xaviar se estabeleceu no coração das regiões selvagens mais ao sul e desfrutou da veneração como um deus rei pelos povos que nunca haviam visto uma pele branca. Outros insistem que ele Abraçou diversos bastardos neste espaço de tempo, alguns dos quais sobrevivem até as noites de hoje – e que sangue Gangrel flui de Xaviar mais do que de qualquer outro membro da linhagem. E ainda outros relatos sustentam que ele caminhou ao lado dos filhos perdidos de Laibon, contemplando suas areias ardentes e suas escuras florestas visando aprender seus segredos e realizar suas mágicas proibidas. A verdade talvez jamais venha a ser revelada, e o patriarca rejeita todas as perguntas sobre este assunto com um mero sorriso.
             Porém, é conhecido que suas andanças pela África chegaram ao fim próximo do início do séc. XVIII. Xaviar atravessou o Atlântico durante a incursão Puritana e invadiu o primeiro Conclave Americano (realizado em 1704 na cidade portuária de Boston). Ali ele lançou seu maior troféu até aquela data aos pés do Círculo Interno: Elijah, Justicar Gangrel, derrotado pelos seus próprio demônios interiores, no final caçado como a Besta em que havia se tornado e destruído por seu parente. O Círculo dos Seis aceitou provisoriamente o recém-chegado em suas fileiras como um Arconte, e Xaviar assumiu o lugar de Elijah no Conselho dos Justicares sete anos depois.
            Após este promissor início, Xaviar passou a servir a Camarilla como Justicar a partir de seu domínio fortificado em Nova Orleans (embora definitivamente ele pareça estar olhando por seus próprios interesses). Diferente da maioria de seus colegas de clã, o Justicar luta para manter-se atualizado com a mudança dos tempos. De vários modos seu envolvimento com a sociedade mortal faz lembrar mais a linhagem Ventrue do que a Gangrel; seu domínio em sociopolítica e sobre avanços tecnológicos é impressionante para alguém de sua idade, e ele mantém uma imensa rede de contatos durante sua estadia no continente. Aksinya Daclau, Gangrel antitribu e herege Sabá, é considerada como sangue de Rhun o Menestrel, portanto “irmã” de sangue de Xaviar. Entretanto ninguém comenta nada sobre tal relacionamento familiar ou político.
            Como muitos em sua posição, o tempo de Xaviar como Justicar foi assolado por vários detratores. Rumores sobre os paradeiros e atividades de Xaviar variam entre esquadrões de assalto mortais munidos de equipamentos ultra-modernos, pretensas testemunhas de diablerie e práticas infernais e até alegações fantasiosas sobre uma certa “ligação profana com as bestas”, a única fonte da qual Xaviar ainda poderia se alimentar após as suas excursões à África. Deixando de lado uma série de acusações e negócios questionáveis, a combinação de corretagem de informações, negociações bi-laterais oportunistas e uma política de “agora-você-me-vê-agora-você-não-vê” lhe foram muito úteis em cumprir seus deveres nos últimos 300 anos ...
            Tudo isso faz com que os acontecimentos mais recentes tornem-se ainda mais confusos. Em 1999, não muito tempo depois de uma operação de busca e destruição em que o renegado Smiling Jack foi caçado e levado a justiça, Xaviar renunciou ao cargo de Justicar e desapareceu da sociedade Cainita. Poucas noites depois, o clã Gangrel seguiu o seu exemplo, abdicando sua associação à Camarilla. Apenas o Senhor da Guerra Karsh (a quem Xaviar acusou abertamente de traidor) e um punhado de outros indivíduos sem importância permaneceram. Aqueles poucos Membros que sabem (ou que tem a inclinação para comentar) o conteúdo das alegações de Xaviar dizem que a existência dos anciões ancestrais – os lendários Antediluvianos – foi o responsável pela sua retirada.     
 Imagem: Considerando-se como uma das nobres feras da noite, Xaviar vê pouca utilidade em vestimentas. Porém, ele descobriu que roupas tornam mais fácil a interação com outras pessoas, trajando então roupas de viajem largas e confortáveis, jeans, jaquetas, camisetas e demais amarras anônimas quando precisa. Como foi Abraçado no campo de batalha, Xaviar ostenta uma perpétua barba de três dias, a qual as vezes ele barbeia. Suas muitas noites como predador deram origem a vários frenesis, e ele adquiriu o nariz, os olhos negros e orelhas salientes de um morcego. Xaviar se movimenta sem fazer ruído algum, o que sugere que ele também tenha adquirido algumas outras características dos morcegos. Suas mãos tornaram-se garras em forma de gancho, e esporões pequenos e rústicos brotam de sua coluna. A despeito de sua aparência bestial, Xaviar exala uma aura majestosa apropriada a uma das grandes criaturas das lendas sobre as quais seus Senhor outrora cantava
 Dicas de Interpretação: O mal-humor que você mostra ao mundo oculta tanto seu intelecto voraz quanto sua ambição implacável. Alguns de seus contemporâneos ainda seguem conceitos ultrapassados e fantasiosos como honra, isolamento e o estoicismo. Deixe eles; você possui armas que eles não se atreveriam a usar. Você é acima de tudo um ambicioso – um competidor, um desafiante, um conspirador perfeito. Enquanto outros de sua espécie prevalecem através da superioridade direta e de discursos floreados, você tornou-se mestre em explorar as fraquezas, a lenta e contínua erosão da confiança que acompanha o caminho do caos, a palavra certa pronunciada nos bastidores que esmorece seu oponente em preparação para o seu inevitável ataque. Você jamais permitiu que algo ficasse em seu caminho, e você não está disposto a começar agora


Clã: Gangrel

Senhor: Rhun de Tintagel

Natureza: Competidor

Comportamento: Grosseiro

Geração:

Abraço: 1356

Idade Aparente: final dos 30

Físicos: Força 5, Destreza 5, Vigor 6

Sociais: Carisma 5, Manipulação 4, Aparência 1

Mentais: Percepção 6, Inteligência 4, Raciocínio 6

Talentos: Prontidão 5, Esportes 4, Briga 5, Esquiva 4, Intimidação 4, Liderança 5, Manha 3, Lábia 6

Perícias: Empatia c/ Animais 4, Arqueirismo 4, Condução 1, Etiqueta 2, Armas de Fogo 3, Armas Brancas 5, Performance 3, Cavalgar 4, Segurança 2, Furtividade 4, Sobrevivência 6

Conhecimentos: Computador 1, Finanças 2, Sabedoria Popular 3, Investigação 5, Lingüística 3, Medicina 2, Ocultismo 3, Política 3, Ciência 1

Disciplinas: Animalismo 6, Fortitude 6, Proteu 6, Abombwe 4, Potencia 4, Celeridade 3, Auspícios 2

Antecedentes: Aliados 6, Contatos 5, Lacaios 5, Recursos 4

Virtudes: Consciência 2, Auto-Controle 4, Coragem 4

Moralidade: Humanidade 4

Força de Vontade: 8

Traduzido por Gilmar

Children of the night págs. 91, 92 e 93.


3 comentários:

Fabiano silva disse...

qui porra de disciplina é essa? 'proteu'

Luk Ygnos Maxuel disse...

Como disse na observação no final do texto, eu nao revisei essa tradução q foi encontrada na net. Acredito q seja protean, ou seja, metamorfose

Rant disse...

Provavelmente estava como "Protean", se for isso é Metamorfose.

Postar um comentário