domingo, 8 de janeiro de 2012

A Espada de Nul


My Preciooous!! Hahaha
A Espada de Nul

Nas profundezas de sua tumba, Dragonskyr sonha de forma intermitente dentro de Tiamat. O demônio chama por sua antiga espada, A Espada de Nul, ordenando que a lâmina traga aqueles que possam libertar Dragonskyr de sua prisão milenar. A espada vem mudando de dono pelas eras pois seu poder traz a morte até o usuário. Ela destrói tudo que toca, como é de se esperar de uma arma forjada por um demônio

A lenda da espada

Depois de Tiamat ter jogado a espada no rio tigre, ela lá permaneceu até 806 D.C. Quando um guerreiro islâmico califa Abassid a pegou. Ele a utilizou em batalha quando uma guerra civil explodiu no mesmo ano.
A despeito de sua poderosa espada, o jovem árabe foi morto em batalha e a lâmina foi encontrada por um mendigo fuçando os corpos dos mortos. Ele a vendeu para Bayt al Himah - “A Casa da Sabedoria”. Por algumas semanas, a espada foi o destaque nas conversas da universidade. De onde a espada teria vindo? Quem a teria forjado? Os estudiosos tinham pouco conhecimento arqueológico e assumiram que, como a espada ainda possuía fio, então deveria ter sido forjada recentemente em alguma terra distante e desconhecida.
Como nenhum resposta era satisfatória, a lâmina acabou sendo esquecida, embora ainsa permanecesse em exibição. Depois de dois anos, foi movida para uma prateleira num canto esquecido da biblioteca, onde permaneceu até ser guardada num quarto por muitos anos. Em 1098 a lâmina foi supostamente retirada de lá por um bruxo herege, que na verdade era um Brujah. Por conta própria e em função das disputas pelo principado de Bagdá, o Brujah roubou a espada durante uma louca escapada.
Nenhum lugar no mundo islâmico estava a salvo da mão do príncipe de Bagdá, portanto o Brujah decidiu fugir para a Europa. Ele desejava usar a espada como barganha para se juntar aos guerreiros cristãos na palestina e assim escapar dos seus problemas políticos.
Foi necessário quase um ano de viagem para ele chegar até Jerusalém. Seus inimigos o cercavam por todo o caminho e naqueles dias um vampiro não viajava muito rápido por medo do sol. Ele chegou em Jerusalém em 1 de Julho de 1099. Duas semanas depois os cruzados invadiram a cidade e mataram a todos que puderam (Quem leu Fontes de Brilhante Carmesim agora deve estar com aquela expressão de “Puts!!”). O brujah foi morto e a espada tomada como espólio de guerra.
A espada não chamou muito a atenção, pois não era decorada com ouro e jóias, nem tinha significado para cristãos, muçulmanos e judeus. A Lâmina finalmente acabou nas mãos de um pobre cavaleiro, Sir Burder do sacro império romano como pare de um espólio.

A Espada de Nul

Uma espada de aparência inocente. É curta, lisa e feita de bronze. Não tem ornamentações a não ser por um crânio esculido no meio da guarda da espada. A empunhadura em algum tempo foi coberta com um envoltório de couro ou pano, já gasto deixando o metal exposto. A arma inteira está se tornando levemente verde com o passar dos anos, a despeito de seu poder. A lâmina ainda é afiada, muito afiada. É mais afiada do que qualquer arma de bronze jamais poderia ser, mais afiada do que o aço de melhor qualidade.
A espada possui dificuldade 5 para acertar e faz força +5 agravado, além disso a arma dá um sucesso automático em todas as jogadas de ataque. A lâmina pode ter muitos outros poderes, embora seja necessário tempo e uso de magica para destravá-los. O narrador pode inventar mais poderes se desejar, mas os listados acima devem ser suficientes por hora.

A espada então passou de pai para filho por muitas gerações. Embora quase todos os espólios fossem vendidos durante as cruzadas para manter um feudo em declínio, a espada permaneceu e se tornou uma relíquia de família. Conforme os anoas passavam, a situação do feudo se tornou ainda pior, e filho após filho foram corrompidos pela espada. A maioria foi morta em batalha, embora deva ser dito que os inimigos desta família sofreram muito mais nas mãos dos guerreiros Rhineland e sua estranha espada.
Em meados do século 15, as pragas e a fome que devastaram a Europa dizimaram o feudo dos Burder. A linhagem desta família foi extinta pela praga que invadiu o castelo. A maior parte dos bens foi confiscada pela Coroa, mas alguns foram pegos por amigos e familiares. Em destes “amigos” era na verdade um servo de um dos 7 Tremere que formavam seu conselho interno. Os Tremere tiveram a guarda da espada por séculos e a estudaram exaustivamente, mas nunca a usaram.
Os Tremere dominavam a Austria de tal modo que nenhum fôlego de liberdade poderia se fazer existir. Ainda assim, um anarquista conseguiu enganá-los. Antoine, um anarquista Malkaviano, conseguiu entrar nas câmaras secretas e encontrou a espada, mas não o fez de propósito. Ele buscava informação que pudesse usar contra os Tremere, quando foi descoberto pegou a espada e a usou nos guardas.
Uma vez com a posse da espada, sua fuga estava assegurada. Muitos guardas tombaram diante de Antoine antes que esse pudesse escapar. Aqueles que o poderiam derrotar ou não estavam presentes u não estavam dispostos a enfrentar a espada de Nul.
Antoine fugiu da Áustria, incerto sobre o que ele havia roubado. Ele nomeou a espada como “Cortadora de Almas” por causa do terror que ela causou nos Tremere. Da Áustria ele fugiu para a Inglaterra, e de lá para o lugar mais seguro do mundo para os anarquistas: a América, e numa cidade sombria...

Traduzido por Acodesh
Do livro Bloody Hearts Diablerie Britain págs 27 e 28

2 comentários:

Anônimo disse...

Bem, se você fosse por mais habilidades a tal espada, quais colocaria?

New Vampiro Brasil disse...

A habilidade de me dizer telepaticamente os números da megasena

Postar um comentário