sexta-feira, 5 de julho de 2019

Shaitan - Baali matusalém


Seus jogadores se acham os poderosos in game? Então "senta o dedo nessa porra!" 

Senhor: Ashur
Natureza: Arquiteto
Comportamento: Visionário
Clã: Baali
Geração:
Abraço: 4500 A.C.
Idade Aparente: 20 anos
Físico: Força 7 (9), Destreza 6 (8), Vigor 7 (9)
Social: Carisma 8, Manipulação 9, Aparência 0
Mental: Percepção 6, Inteligência 6, Raciocínio 7
Talentos: Prontidão 4, Briga 5, Diplomacia 6, Esquiva 5, Sonhar 7, Empatia 6, Intriga 9, Liderança 8, Imitação 6, Falar em Público 3, Sentir Mentira 9, Pesquisa 5, Sedução 4, Arremesso 2
Habilidades: Ferraria 2, Luta as Cegas 3, Alteração corporal 6, Suborno 9, Camuflagem 3, Etiqueta 1, Armas brancas 5, Sobrevivência 9, Tortura 9, Rastreamento 6, Armadilhas 3
Conhecimentos: Alquimia 3, Antropologia 7, Arqueologia 9, Conhecimento de Área (México e Mesopotâmia) 9, Astrologia 3, Astronomia 1, Conhecimento da Mão Negra 5, Conhecimento da Camarilla 3, Segredos da Cidade 9, Conhecimento dos Membros 9, Conhecimento Lupino 5, Conhecimento de Mago 4, Medicina 5, Ocultismo (Conhecimento Demoníaco) 9, Psicologia 3, Política 8, Conhecimento do Sabá 9, Conhecimento dos Esgotos 3, Conhecimento Espiritual 9, Teologia 9 (Conheça sempre o seu inimigo), Toxicologia 6, Conhecimento da Wyrm 9
Disciplinas: Animalismo 6, Auspícios 9, Rapidez 6, Quimerismo 6, Daimonium 9, Taumaturgia Negra 7, Demência 8, Dominação 9, Fortitude 7, Tenebrosidade 4, Presença 9, Metamorfose 7, Potência 9, Taumaturgia 4, Viceratika 3
Investimentos: 9 (Posto Infernal)
Antecedentes: Identidade Alternativa, Aliados 9, Contatos 9, Rebanho 9, Influência 9, Recursos 4, Lacaios 9, Status 9,
Trilha: Trilha das Revelações Malignas 10
Humanidade: 0
Força de Vontade: 10
Perturbações: Obsessão (Shaitan sente que deve corromper toda a humanidade para agradar a Baal. Naturalmente, ele está certo).
História: Shaitan nasceu em 4520 A.C. como um escravo na Segunda Cidade. Belo além da comparação, sua beleza sozinha o elevou em posição como um dos servos favoritos de Ashur. Shaitan foi o segundo a ser Abraçado por Ashur, e foi incorrigível.
   Não muito tempo após seu Abraço, Shaitan deixou a cidade e viajou para o Leste, atravessou a Mesopotâmia e chegou às terras de Kala-At-Shergat. Na sua jornada, ele aprendeu muito das estranhas filosofias do Leste, refinando Disciplinas que nunca haviam antes existido. Estas, ele ensinou aos companheiros Filhos de Ashur, todos, exceto Gangrel, a quem ele desprezava. Gangrel tomou como pessoal a ofensa, e disse a Ashur que Shaitan o estava traindo associando-se com os Filhos de Lilith, uma violação direta das ordens de Cain. Logo esta notícia se espalhou entre os Membros da segunda Cidade, e contra a vontade de Ashur, Shaitan e seus seguidores foram banidos.
    De novo Shaitan rumou para o Leste e logo construiu a sua própria cidade em Kala-At-Shergat, fazendo suas leis, e conquistando muitas terras vizinhas. Então Shaitan encontrou Baal, um poderoso e ambicioso demônio, disposto a ensinar ao vampiro uns truques novos.        Shaitan jurou lealdade a Baal, sentindo-se traído pelos de sua raça e disposto a servir a outro para obter sua vingança.
   Sob as ordens de Baal, Shaitan expandiu sua nação mais ainda, fazendo grandes sacrifícios para a glória de Baal e forçando muitas das tribos menores à escravidão. Talvez ele tivesse continuado a governar indefinidamente, mas a segunda Cidade caiu e com sua queda, uma grande quantidade de vampiros chegou às suas terras.
        No momento que os demais vampiros chegaram, o reinado de Shaitan já estava consolidado, ele e seus irmãos eram tratados como Deuses pelo povo local. Embora ainda fizesse sacrifícios a Baal, o demônio há muito já havia partido. Shaitan não teve suporte quando os Ashurians, Assamitas e Brujah chegaram e decidiram tomar as terras para si.
        Os Baali, como Shaitan e seus irmãos se chamavam, eram poucos e assim continuaram. A maioria dos recentemente abraçados havia sido ritualisticamente assassinada por seu sangue, e seu coração dado a Baal. As forças Brujah e Assamitas, junto com os Ashurians, os derrotaram facilmente; talvez fácil demais.
        Os Baali foram destruídos completamente...ou assim pareceu. Na verdade, Baal avisou Shaitan do perigo que vinha do Oeste, e eles desocuparam a área, deixando neófitos alterados demonicamente para serem mortos em seu lugar.
        Os Baali se espalharam pelos quatro cantos do mundo, e cada um dos 13 mais velhos pegou uma parte de suas crias e começou a traçar novas metas para seus planos de vingança e poder. O aviso de Baal foi levado a sério, e os Baali aprenderam a arte da sutileza. Não mais conquistando e clamando domínio, eles escolheram falsos nomes, normalmente de Deuses existentes. No disfarce desses Deuses, os Baali guiaram seus adoradores e cresceram em poder.
        Shaitan começou uma longa jornada através do Oceano para alcançar o Continente Norte-Americano. Da época dos Olmecas (1200-200 a. C) até a dos Toltecas, dos Maias e toda a história do Império Asteca, Shaitan estava lá, guiando sutilmente através de lacaios ou agindo diretamente nas batalhas por supremacia. Outros vampiros chegaram na mesma área, sem saber da presença de Shaitan, e estes vampiros foram expulsos, corrompidos em servidão, ou destruídos.
        Por mais de 2700 anos, Shaitan governou sobre a área onde hoje é o México, através de representantes ou pessoalmente. Ele ainda governa a área, e simplesmente decidiu não aparecer nos últimos 400 anos. Isto está para mudar.
       Imagem: Shaitan tem 2,44 metros de altura. Devido a sua longa associação com Baal, seu corpo sofreu mudanças que o deixaram tão medonho quanto qualquer Nosferatu. Sua pele é de um branco translúcido com textura similar a de uma lixa. Seu cabelo tenha se tornou como pequenas gavinhas, seus olhos são fendidos como os de um réptil e sua face adquiriu características demoníacas, incluindo chifres que saem de seu crânio. Uma aura maligna pode ser sentida por praticamente qualquer um que ele encontre.
       Dicas de Interpretação: Você não fala com estúpidos. Qualquer um que não sucumba ao seu poder não é digno de reconhecimento, a não ser que possua Fé Verdadeira. Ignore os fracos; destrua os fortes.
       Observações: Este Matusalém é ridiculamente poderoso. Seu longo torpor reduziu muitas de suas formidáveis habilidades, mas se tiver tempo, ele terá poderes quase divinos. Entretanto, o grupo terá uma vantagem ao lidar com ele, uma vez que seu conhecimento de armas modernas é mais limitado. Ele esteve em Torpor por tanto tempo que esqueceu o ardor do fogo e o poder da mágica. Se confrontado com uma resistência determinada, ele fugirá e planejará sua vingança. Seus Atributos e Disciplinas também estão reduzidos devido a seu longo torpor. Assim que acordar, Shaitan estará comparativamente mais fraco. Levará vários meses até ele recobrar todo seu poder.
        Embora Shaitan siga a Trilha das Revelações Malignas, ele não é um membro do Sabá.
        Shaitan está sendo ensinado por Baal para expandir sua mente às possibilidades de seu poder. Suas Disciplinas extremamente altas são um reflexo destes ensinamentos. Shaitan há muito deu sua alma para Baal, e é um peão de demônios. Ele é efetivamente um demônio no corpo de um vampiro.

Fonte: Chaos Factor pág 119
Observação : Sacanagem não mencionarem os investimentos de Shaitan

Shaitan

O Baali mais antigo se chama Shaitan (embora outrora tivesse outro nome) e foi a primeira cria do mítico antediluviano Ashur. De acordo com as lendas ele era o mais belo dos cainitas de 4a geração; e tão grande era seu orgulho que ficou com ciúmes de Arikel, a fundadora do clan Toreador e até mesmo de Zillah a Bela, esposa de Caim. Em vida ele havia sido um escravo que cantava hinos nos templos para todos os deuses do cosmos, e sua beleza e voz melodiosa se mantiveram com seu abraço. Entretanto a amargura se alastrou no coração de Shaitan, pois sabia que sempre seria um poder menor se comparado a seu senhor e ao senhor de seu senhor. Ele se lamentava pelo fato de ser para sempre um reflexo de uma luz maior, e não a própria fonte de iluminação – e assim ele caiu. Muitas histórias contam sobre esta queda, mas é dos fragmentos de Nod, o mais antigo registro dos filhos de Caim, que o seguinte conto se origina.

A primeira guerra

Na grande guerra que sacodiu a primeira cidade e destruiu a segunda geração, Shaitan era o mais furioso dos de sua geração. Ele reuniu os insatisfeitos de outros clans para a sua causa e cercaram o templo do próprio Caim no coração de Enoque. Amaldiçoando a todos os deuses que um dia adorou, ele invocou os poderes das trevas para se fortalecer, e então Shaitan e seus seguidores se lançaram contra o próprio Caim. A batalha despedaçou o templo, trazendo abaixo suas antigas pedras e incendiando o chão das proximidades das ruínas com fogo do inferno. Contudo Shaitan não podia vencer, pois tal era a força de Caim que nem mesmo as forças do inferno podiam fazer frente ao primeiro vampiro.
As forças de Shaitan haviam acabado, mas Caim não conseguiu se forçar a destruir sua cria insolente. Caim olhou para a beleza de seu bisneto e disse:

“Você é belo como as faixas douradas que eu uso, como o bosque de árvores de agradável cheiro em meu jardim, como a pele de minha adorável esposa. Entretanto você é maligno em seu interior, como o sangue contaminado pela doença, como o vinho que já azedou na adega, como uma espada quebrada deixada no chão de um campo de batalha. Eu não posso matá-lo, pois foi meu sangue maculado, minha ira que o fez provar deste cálice amargo; mas também não posso deixá-lo andar pela terra com esta beleza, com seus longos cílios, seus cabelos dourados e olhos pálidos. Portanto eu lhe permitirei a não-vida mas tirarei de ti sua beleza.”

Caim levantou suas mãos e agarrou Shaitan, e seu cabelo caiu de sua cabeça, seus olhos queimaram em suas órbitas e sua pele coçava pelo aparecimento de feridas. Caim ergueu suas mãos e agarrou Shaitan uma vez mais, e seus ossos se retorceram e quebraram de modo que Shaitan não podia mais ficar de pé. Caim levantou suas mãos uma última vez e agarrou Shaitan e todo o poder deste desapareceu. Em seguida Caim se virou e foi embora, para nunca mais ser visto por suas crias até a noite da Gehenna, quando todos os segredos serão revelados.
A guarda de guerra de Shaitan, constituída de um membro de cada um dos grandes clans – se reuniu em volta dele, o levantaram, e lamentando carregaram-no daquele lugar, sabendo que seus sonhos de rebelião estavam acabados e que a partir de então seriam párias. Eles olharam para a floresta e lá se preparam para morrer, pois sua vontade estava abalada.

A queda

Mas Caim cometeu um erro, havia deixado em Shaitan sua bela voz. Nas florestas Shaitan chorou, primeiro a seus companheiros e depois para as trevas que o haviam ajudado. As trevas responderam, num rompante como um redemoinho. Shaitan e seus seguidores foram envolvidos e mudaram para sempre. Os sombrios viram a sua criança agora distorcida e choraram lágrimas amargas, e no lugar onde estas lágrimas caíam, a carne se alterava. Eles deram a Shaitan e a seus seguidores o veneno como o de uma serpente, deram garras como as do leão da montanha, deram presas e chifres como as dos lagartos das rochas, deram uma carapaça como a do escorpião – e os ergueram muito acima do chão.

“Nós erguemos a vocês que caíram” , eles sussurravam – suas vozes eram como gelo. “Nós consertamos seus ossos distorcidos, unimos sua pele rasgada e abrimos seus olhos para as trevas, pois te amamos mais intensamente do que qualquer um poderia amar. Em troca nos adorem, nos amem e lhes daremos domínio sobre tudo isso”.

E os reinos do mundo apareceram diante de Shaitan e seus seguidores como uma tapeçaria. Shaitan olhou para a terra com seus novos olhos e os cobiçou por sua beleza – assim, como uma estrela cadente, ele entrou no abismo.
Shaitan e seus seguidores deixaram a floresta e viram o trabalho de seus primos, os vampiros de outros clans. Eles viram novas civilizações surgindo das ruínas da Primeira Cidade e perceberam que haviam sido esquecidos. Como cada um de seus seguidores viera de um dos grandes clans, Shaitan os ordenou que gerassem crias e se infiltrassem em seus antigos clans cuidando para ocultar sua nova natureza. Shaitan construiu para si mesmo uma fortaleza num lugar chamado Chorazin, onde se dedicava a seus mestres infernais. Este lugar, agora perdido soterrado nas areias, se tornou o centro de um culto infernal de adoração a Satanás. Seu nome entrou na história humana como o Adversário, o líder das forças das trevas. Seus seguidores, ocultos e infiltrados nos outros clans, levavam vampiros até ele, para serem convertidos ou destruídos.
Séculos se passaram e a Jyhad rugia pelo mundo antigo. Shaitan espalhava seu poder e fazia planos contra a geração de seu senhor. Ele foi adorado por muitos nomes e em muitos lugares. Na Grécia ele foi o marido de Hecate e lambeu o sangue espirrado no chão; em Ur crianças foram atiradas no fogo em seu nome; na Babilônia astrólogos fizeram sacrifícios em seu nome na lua nova; mesmo na longínqua Hibérnia ele era conhecido e sangue era derramado em seu nome. O culto de Shaitan invocava demônios e dedicava lugares para as forças infernais – seu poder cresceu até estar pronto para abrir os portões do inferno e entregar o mundo a seus mestres infernais.

A grande guerra

Apenas os vampiros mais antigos da Europa lembram do tempo em que os Baali subiram ao poder pela primeira vez, e são avessos a revolver estas lembranças de tempos sombrios. Conforme os Baali aumentavam em força novamente, alguns anciões precisaram alertar suas crias contra os filhos do demônio e precisaram recontar as histórias da grande guerra travada contra eles.
Shaitan mudou o centro de poder para Creta, o centro de cultura e comércio do mediterrâneo, chamando seus seguidores para que fossem a seu encontro. Expulsando os antigos governantes da ilha, ele delegou tarefas para a construção de um intricado labirinto a ser construído, uma mandala sombria que daria foco a seus poderes e permitiria aos Lordes do Inferno caminhar no mundo mais uma vez. Os minóicos se voltaram para a guerra e exigiam tributos das outras civilizações. Tanto escravos como filhos de reis eram enviados para alimentar os rituais sangrentos dos Baali. Coisas inumanas andavam pelo labirinto, e o palácio de Knossos era como uma tumba neste período. Os poderes infernais eram tão fortes que vampiros podiam andar a luz do dia, e Shaitan tinha planos de um império de sangue que mergulharia o mundo inteiro em trevas.
Mas as ações de Shaitan irritaram seus rivais na Jyhad, suas exigências de tributos do Egito enfureceu o próprio Set. O General Meneleus veio de Atenas com heróis mortais para destruir o senhor dos escravos do mediterrâneo, e o Ventrue Balthazar retornou de suas viagens a Índia, onde os presságios mostravam o céu se enchendo de trevas. Outros peões da Jyhad assumiram seus lugares: os Gangrel das estepes, o Malkaviano Dionísio e a sacerdotisa de Baco, Toreadores e Lasombras da África. Eles travaram guerra contra Shaitan até que o mar ao redor de Creta estivesse tingido de vermelho sangue, de mortais e imortais.
A guerra durou nove dias e nove noites, Shaitan permaneceu no centro de seu labirinto, conduzindo rituais para abrir um portal para o inferno. Embora as forças de Shaitan estivessem dispersas, ninguém conseguiu penetrar em seu labirinto para alcançá-lo. Os heróis mortais acharam ter matado o monstro de Creta quando se confrontaram com os carniçais de Shaitan, tão deformados no corpo como o seu mestre era deformado no coração
Os guerreiros exaustos se reuniram e disseram “Nós não conseguimos chegar até Shaitan e estamos cansados – o que faremos?”. Uma cria de Set, especialista em magia do Egito disse “Se nós não podemos destruí-lo, devemos destruir seu labirinto. Vamos chamar a tempestade, vamos invocar o fogo , vamos criar um terremoto, vamos partir esta ilha como se fosse um figo maduro”. Os vampiros concordaram com este curso de ação e convocaram seus poderes – e a ilha próxima de Santorini respondeu, explodindo num cataclismo de erupção . O choque trouxe abaixo o palácio de Knossos, o fogo queimou a Shaitan e seus seguidores, e o mar se ergueu para lavar toda a mácula. A cria de Set sorriu, pois agora sabia que apenas o Egito se isolaria no poder, já que Creta havia sido destruída. Shaitan urrou em fúria e angústia, pois mais uma vez havia sido derrotado.
Desde então ninguém mais viu Shaitan pessoalmente. Seus discípulos dizem que Shaitan fala com eles através de sonhos – que ele foi carregado nas asas da tempestade para uma terra distante onde pudesse descansar e curar suas feridas – e que ele voltaria para reclamar o que era seu por direito. Seus seguidores se dispersaram, mas não foram destruídos, e retornaram a seus antigos postos secretos, ocultos entre os clans. Os Baali assistiram dos bastidores impérios surgirem e caírem, ganhando tempo e esperando para que a Jyhad os tivesse esquecido.

Os Baali hoje

Na Idade das Trevas os Baali estão subindo ao poder mais uma vez. Embora seu grande labirinto de poder esteja despedaçado em Creta, muito de seus sítios infernais maculados permanecem intactos. Com o poder retirado da matança das cruzadas, os Baali ergueram Chorazim das areias do deserto, e um fluxo constante de candidatos começou a seguir a peregrinação sombria novamente.
Neste exato momento, os 12 seguidores originais de Shaitan despertaram de seu longo sono para começar a corrupção de seus clans mais uma vez

Fonte: Dark Ages Companion 169

Mais informações sobre Shaitan podem ser vistas no clanbook Baali (dããããã)

Para ver mais sobre infernalismo, clique (aqui)

Um comentário:

Postar um comentário